Blog da Pontte

No Blog da Pontte você encontra dicas sobre empréstimo, finanças, empreendedorismo e todas as informações sobre crédito imobiliário.

Taxa Selic: Como seu aumento afeta o mercado imobiliário?

Um assunto que está em alta nos últimos meses é o constante aumento da taxa Selic pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central.

Em seu último aumento, em 16 de março de 2022, a taxa chegou a 11,75% ao ano, um aumento de 1 ponto percentual em relação à última divulgação, em 2 de fevereiro.

Sendo este o maior aumento desde 2017, quando a Selic chegou a 10,25% ao ano. 

E mediante essa ação do BC, duas perguntas podem estar surgindo na mente de muita gente: Por que a taxa Selic vem sendo reajustada e como essa alta pode impactar o mercado brasileiro?

Mas fique tranquilo que a gente explica!

Veja, abaixo, o resumo de como a alta da taxa Selic pode influenciar diferentes cenários do mercado financeiro.

O que é a taxa Selic?

O Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), é a taxa básica de juros da economia brasileira e influencia os juros de todas as operações financeiras do país.

Ela é um dos principais instrumentos de política econômica que o BC utiliza para conter a inflação (aumento constante dos preços).

Isso ocorre porque a taxa também influencia no desempenho dos mais variados tipos de investimentos financeiros e índices inflacionários. 

Por isso, a cada 45 dias, o Copom se reúne para analisar e discutir a situação da economia brasileira e definir o valor da taxa. 

E para ajudar na decisão, o órgão se baseia em indicadores financeiros e econômicos do país para chegar no valor ideal. 

Qual a estratégia por trás do aumento da taxa Selic em 2022?

Como dito anteriormente, a taxa Selic é um marco importante para o controle da inflação. 

E com os principais índices de inflação fechando 2021 em alta – o IPCA acumulou em 10,06%, o IGP-M em 17,78%, e o IPC-S chegou a 9,34% -, o Copom viu o aumento da Selic como uma medida de diminuir a pressão da inflação no mercado. 

Isso porque, quando o Banco Central aumenta a taxa Selic, ele tem como intenção aumentar os juros do mercado todo. 

Assim, os empréstimos, parcelamentos e financiamentos tendem a ficar mais caros.

Enquanto isso, as aplicações em renda fixa têm rendimento mais alto e trazem mais investimentos do exterior – ou seja, trazem mais dólar para o país. 

Mas mesmo com toda essa movimentação do BC, a inflação para este ano de 2022 deve ficar acima do teto inicial, que era de 3,5% – com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. 

Agora, é esperado que o acumulado do IPCA deste ano seja fechado em 5,44%, acima da meta, que era de, no máximo, 5%. 

Selic e o mercado imobiliário

As operações de crédito como financiamentos, empréstimos, cheque especial, entre outras, sofrem grande impacto quando a taxa Selic está alta.  

Por esse motivo, as alterações da Selic afetam pessoas acostumadas a fazer compras a prazo ou recorrer a modalidades de crédito.

Se ela está mais alta, os juros das operações sobem. Se ela está mais baixa, consequentemente eles diminuem. 

No mercado imobiliário, além de influenciar na taxa de crédito que as construtoras e incorporadoras utilizam para executar a construção de novos empreendimentos, os bancos também tendem a aumentar taxas de juros de financiamento imobiliário. 

Em 2020, com a Selic em valor médio de 2% ao ano, a média de taxa de juros de financiamento imobiliário atingiu uma baixa de 6,3%, segundo o Banco Central. 

Agora, em 2022, o Custo Efetivo Total (CET) médio informado pelo BC para financiar um imóvel de R$ 375 mil aumentou de 7,59% ao ano para 8,99% ao ano.

Isso ocorre porque, com a alta da taxa Selic, a Taxa Referencial (TR) também sobe e os bancos tradicionais costumam atrelar suas taxas de juros à esse indexador. 

Há uma saída para financiar em 2022

E para quem quer comprar um imóvel ainda este ano, uma opção a considerar são as fintechs de Crédito Imobiliário como a Pontte, por exemplo. 

Elas podem não aumentar suas taxas por não atrelarem o financiamento à TR – e sim ao IPCA – e por isso podem ser uma ótima opção. 

As taxas de juros de operações de Home Equity – o Crédito com Garantia de Imóveis – também devem ser mantidas e essa pode ser uma saída para quem precisa de um empréstimo e quer fugir das altas de juros de outras modalidades de crédito.

Simule seu Financiamento com a Pontte e garanta taxas a partir de 7,68% ao ano + IPCA. 

Quais as vantagens da alta da taxa Selic?

Uma das maiores vantagens além do controle da inflação é, sem sombra de dúvidas, o aumento do rendimento em aplicações de renda fixa. 

Então, se você tem alguma quantia que pode ser investida, o momento é agora!

E para quem quer realizar o sonho da casa própria e ainda não tem o capital necessário para a entrada do financiamento, esse tipo de investimento pode ser uma ótima solução, pois há opções com rendimento rápido e possibilidade de resgate do valor a qualquer momento.

Aplicações em renda fixa pós-fixada podem ser uma boa, já que o BC prevê mais aumentos da taxa Selic ainda para 2022.

Algumas das aplicações em renda fixa são:

Tesouro Direto

Tendo diferentes títulos para aplicação, existem algumas opções que utilizam a Selic como indexador de rentabilidade. 

CDB

O Certificado de Depósito Bancário, ou CDB, em poucas palavras, é um investimento em que você empresta seu dinheiro ao banco para que execute seus serviços aos clientes.

E você, investindo nessa modalidade, pode garantir um percentual de juros em cima desse empréstimo. 

Fundo DI

Esse fundo é uma ótima alternativa para quem quer garantir uma reserva de emergência, visto que, quando solicitado o saque, você pode ter acesso a ele em, no máximo, um dia. 

ETFs de renda fixa

Os ETFs (Exchange Traded Funds, ou Fundos de Índice) de renda fixa são um tipo de fundo atrelado a um indicador. Alguns deles utilizam a Selic como uma das bases para o cálculo da rentabilidade.

Mas ainda existem outras opções seguras e com uma ótima rentabilidade. Portanto, pergunte ao gerente do seu banco ou a seu consultor financeiro sobre a possibilidade de aplicação. 

Qual a projeção da taxa Selic e da inflação para 2023?

A previsão é que ocorram mais aumentos na Selic ainda em 2022. A taxa pode chegar a mais de 12%, segundo o Copom. 

O órgão também anunciou que esses aumentos ocorrerão em um ritmo menor e que a projeção para os próximos anos é de queda.

Os economistas brasileiros esperam que a Selic caia para 8,125% ao ano em 2023.

Já o IPCA deste ano está em 5,38% até o momento, com tendência de aumento. 

Para o próximo ano, como apontou o Boletim Focus, o índice está estimado em 3,50% – com uma margem de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Debora de Castro

Debora de Castro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *